Widget de exemplo

This is an example widget to show how the Secondary sidebar looks by default. You can add custom widgets from the widgets screen in the admin. If custom widgets are added then this will be replaced by those widgets

Na fisioterapia, a recuperação daqueles que venceram a Covid-19

Zenaide Salvan Felisbino, de 61 anos de idade, moradora do bairro Maccari, em Morro da Fumaça, levava uma vida tranquila. Pensionista, ao chegar a pandemia do novo coronavírus (Covid-19), ela evitou ao máximo sair de casa, mas quis o destino, que ela contraísse a doença.

E ela lembra bem do dia: foi em 21 de março de 2021. “Eu me cuidava muito. Não saía de casa, mas o meu filho do coração veio me visitar com a esposa em um fim de semana. Ela estava com Covid-19 e não sabia. Comecei a sentir os sintomas na quarta-feira seguinte. Dias depois já fiquei mais cansada, fiquei de cama e fui ao Centro de Triagem, fiz o teste e deu positivo. A minha saturação abaixava muito, então marcamos uma consulta e o médico me internou, eu não queria porque achava que era só uma gripe, depois de dois dias que eu estava no hospital fiquei muito ruim”, relata.

Zenaide não chegou a ir a um leito de UTI, mas ficou 16 dias internada. Vencida a doença, vieram as consequências. “Eu não andava. Perdi a musculatura, fiquei sem sentar. O banho eram as minhas filhas que me davam”, conta.

Foi aqui que entrou em cena a fisioterapeuta Morgana da Silva Zago, através do projeto de Fisioterapia Pós-Covid, da Secretaria do Sistema de Saúde de Morro da Fumaça. Zenaide foi a sua primeira paciente e passou a fazer os exercícios diariamente. “A fisioterapia para mim não tenho nem como explicar porque eu não andava e não tinha forças. Quando ela chegou para fazer a fisioterapia eu estava na cama, deitada, no oxigênio direto. Hoje eu agradeço a todo o atendimento porque foi o que me ajudou a melhorar aos poucos. Estou me sentindo 100%, Estou bem, graças a Deus. Hoje posso fazer todo o trabalho da casa, antes, nem banho sozinha conseguia tomar”, relata a fumacense que completou três meses de tratamento. 

Morgana fala que a fisioterapia de Zenaide se fez necessária. “Ela é a que melhor teve resultado até agora porque é a única que fez a tomografia de comparação. Então ela tem a primeira tomografia e a última tomografia com regressão da lesão”, diz.

Ações de reabilitação

Morgana fala ainda que o Município percebeu a necessidade de implantar ações de reabilitação para os pacientes acometidos tanto fisicamente, quanto emocionalmente pela pandemia. “Apesar de o coronavírus causar sintomas brandos na maior parte das pessoas, há uma parcela que encara a versão grave da doença e precisa de intervenções hospitalares. Para eles, os problemas não acabam quando o vírus some do organismo. Indivíduos que são internados podem sair do hospital com sequelas neurológicas, fraqueza muscular e dores pelo corpo. Devido a isso, se percebeu a necessidade de um atendimento em reabilitação do indivíduo, que em Morro da Fumaça tem dado muitos frutos”, destaca a fisioterapeuta.

 

Casal que faz o tratamento junto, se recupera junto

 

O casal Antônio de Assunção Moreira, de 90 anos, e Maria Olívia Gama Moreira, de 84 anos, recebem a Morgana na sala de casa. É ali mesmo que eles fazem os exercícios. Um ao lado do outro, eles vão seguindo os comandos da fisioterapeuta. 

Eles foram infectados em março e, após a recuperação, o início da fisioterapia. “Eu passei um pouco mal, mas agora graças a Deus estou. Ficou internado”, resume Antônio. Ele permaneceu 30 dias internados, enquanto Maria ficou 15 dias a mais. “O tratamento está indo bem, graças a Deus. Está nos ajudando a melhorar”, fala Maria. 

Estes são apenas alguns dos tantos exemplos positivos da Fisioterapia Pós-Covid implantada em Morro da Fumaça. “Este trabalho, aliado à força de vontade de cada um, possibilitaram muitos resultados positivos. Obtivemos uma alta incidência de reabilitação dos pacientes, que contribuiu com a qualidade de vida de cada um. Estamos felizes com estes resultados e seguiremos com o projeto ativo para atender cada vez mais pessoas”, fala a secretária do Sistema de Saúde, Marijane Felippe.